6 de março de 2010

Imponderável

Bendtner é o símbolo da descrença no Arsenal

Em janeiro, quando o Arsenal estava em boas condições na disputa pelo título inglês, Alex Ferguson lançou mão de seu tradicional jogo psicológico. O vitorioso treinador garantiu que a corrida pela taça ficaria restrita a Chelsea e Manchester United. De lá para cá, os Gunners fizeram força para dar razão ao escocês. Perderam mais duas vezes para seus rivais diretos, completando quatro derrotas nos confrontos contra Blues e Red Devils, e mantiveram a incômoda liderança da tabela de lesões entre as equipes da Premier League. Contudo, o conjunto de Arsène Wenger conclui a 29ª rodada com estratégicos 61 pontos. A terceira posição deixou de ser um fardo e passou a atribuir otimismo aos torcedores. O próprio Ferguson reviu conceitos e disse enxergar o Arsenal "em vantagem na luta pela conquista".

Não há nada tão especial no Emirates. A única fase brilhante do time em 2009-10 foi no início da temporada, quando, curiosamente, especulava-se a perda do posto no Big Four para o Manchester City. O retorno dos Gunners à pauta está atrelado a alguns escorregões do United e, especialmente, ao péssimo momento do Chelsea. Em fevereiro, os Blues perderam três vezes, duas pela Premier League. O pífio aproveitamento de 46% e os oito pontos desperdiçados pela equipe de Carlo Ancelotti reacenderam a corrida pelo título. O Arsenal, por sua vez, venceu os últimos quatro jogos, contra Liverpool, Sunderland, Stoke e Burnley. Nada demais, por ora. Mas é o suficiente para justificar o raciocínio atual de Ferguson. De certa forma, o Arsenal está em vantagem, sim.

O líder é o Manchester United, com 63 pontos em 29 jogos. O Chelsea tem 61 pontos em 28 partidas e supera o Arsenal, que já atuou 29 vezes, apenas no saldo de gols. Na 33ª rodada, os dois primeiros colocados se enfrentam em Old Trafford. O United ainda mede forças com Liverpool (c), Manchester City (f) e Tottenham (c), enquanto o Chelsea tem pela frente Aston Villa (c), Tottenham (f) e Liverpool (f). São quatro confrontos contra equipes de primeira classe para cada um. Já o Arsenal não é claramente favorito apenas na 34ª e na 36ª rodadas, quando, respectivamente, visita o White Hart Lane e recebe o Manchester City. Ainda que, com razão, desconfie-se dos Gunners, eles estão propensos a marcar muitos pontos.

Com sua formação principal, aquela do arrasador início de temporada, o Arsenal pode quase sempre vencer com segurança. No entanto, mesmo que tudo passe a dar certo, todos os titulares estarão à disposição apenas contra o Manchester City, na 36ª rodada, possivelmente a do retorno de van Persie. Até lá, Bendtner deve ser a primeira opção ofensiva, e a tendência ao sofrimento deve persistir. Pensemos sobre o que aconteceu hoje. Os Gunners enfrentaram, em circunstâncias favoráveis, o mais frágil dos oponentes. Fora de casa, o Burnley havia marcado apenas um ponto - contra o Manchester City, à época de Mark Hughes - em 13 jogos. Mesmo assim, conseguiu enervar Wenger no Emirates. Aliás, quem o fez, com requintes de crueldade, foi Bendtner. Com a sutileza de um viking, o centroavante dinamarquês perdeu um tonel de gols, e a vitória sempre esteve em xeque.

Com 70% de aproveitamento, habitualmente insuficientes para lutar pelo título, o Arsenal deve estar satisfeito com a ótima situação. Muitos dos 61 pontos, aliás, devem ser atribuídos a Fàbregas, em temporada abissal: 14 gols e 15 assistências. Parece claro que a conquista da Premier League passa necessariamente pela estabilidade física do espanhol nas últimas rodadas. A lesão de hoje aparentemente não foi grave, mas deixa reticentes mesmo aqueles que sempre acreditaram em algo que era consensualmente quase impossível há quatro rodadas. Ainda assim, sem pontuar em confrontos diretos e com infinitos problemas físicos e de profundidade no elenco, o Arsenal pode ser o mais estranho e orgulhoso campeão inglês dos últimos anos.

Imagem: Metro

3 comentários:

Igor Veiga disse...

Legal o blog! Parabéns pelo trabalho.

Coloquei ele na lsita dos blogs recomendados no blog do qual participo:

http://evertonfcbrasil.blogspot.com/

Abrçs

Daniel Leite disse...

Valeu, Igor.

O "Everton FC Brasil" já está entre os nossos favoritos.

Abraço.

Junios disse...

Não acho que o Dinamarques Bendtner seja o simbolo da descrença no Arsenal, muito pelo contrario, acho ele é um centro avante, tem bola colocação, cabeceia bem, as vezes pode ate jogar de meia como um terceiro atacante, vi um jogo ruim dele, jogo esse contr ao Burnley, perdeu muitos gols, mas isso é normal em atacantes de grandes times do mundo.

Abraços.

E-mail: alexjunioraia_oliveira@hotmail.com